Lenda do painel da Virgem da Penha

nossa-senhora-da-penha
Conforme com a lenda do painel da Virgem da Penha, quando o Frei Pedro Palácios aportou no Espírito Santo, consigo trouxe, da Europa, um belo painel que representava a Senhora e o Menino Jesus – obra valiosa e perfeita de pintor desconhecido.

Conta a tradição que, para essa tela santa, construiu Frei Pedro uma capelinha ou nicho ao sopé do monte das palmeiras, bem junto à estreita gruta que a ele servia de moradia.

Acontece que, certa manhã, o pio franciscano dá por falta do painel. A notícia corre logo a vila toda e, em breve, muita gente se achega ao oratório a verificar o desaparecimento. Organizam-se, presto, várias batidas nos arredores da vila. Ninguém sabe, ninguém viu o painel. Sobem, então, ao monte das palmeiras e, depois de longa e cansativa busca, deparam, lá bem no alto, o painel da santa. Toma-o nos braços o frade, beija-o e o dá a beijar aos que o acompanharam. Depois, em procissão contrita, trazem-no até o sopé do morro, onde é recolocado no seu nicho humilde.

Num outro dia, porém, logo cedo, dá-se novo desaparecimento. E os habitantes da Vila Velha, o frade à frente, lá se vão morro acima, na esperança de que, lá no topo, encontrarão de novo a Virgem e o Menino. De fato, lá está o painel entre as duas palmeiras, sobre a pedra mais alta.

Corre já, de boca em boca, a certeza de que Nossa Senhora, através daquela teimosa fuga, quer morar lá no alto.

Conduzem o painel outra vez até embaixo, e o depositam em seu pequeno nicho.

Passam-se os dias e, depois, dá-se novo e misterioso rapto do quadro, encontrado, outra vez, no cimo da pedreira.

Constrói-se, então, no campinho, pouco abaixo do ponto onde a tela aparecia, uma capelinha sob a invocação de São Francisco. No altar, depõem o quadro.

Mas, dias depois, no mesmo ponto entre as duas palmeiras, lá se vai encontrar outra vez o painel miraculoso.

Já não resta mais dúvida a ninguém: a Virgem quer a sua capela ou a sua igreja lá no alto da penha. E, animados por Frei Pedro, todos se entregam à faina, áspera e difícil, de construir, no tope da montanha, a igrejinha que deverá receber e guardar, para sempre, o maravilhoso painel da Virgem.

E foi assim que, iniciada em 1566, se levantou a Ermida das Palmeiras no cimo do penhasco, onde, mais tarde, se altearia, majestoso e belo, o Convento de Nossa Senhora da Penha.

Esta, a bonita lenda capixaba que envolve o precioso painel da Virgem Mãe.